U

ma das melhores promessas da tecnologia é a democratização – pegar capacidades especializadas destinadas a algumas pessoas e torná-las mais baratas, mais simples e mais acessíveis a todos. Vimos muitos exemplos em produtos de consumo modernos, como computadores, carros ou até mesmo a própria internet. Estamos começando a ver exemplos disso também nos negócios, como saúde e logística, e acredito que estamos à beira de uma grande mudança também nos seguros.

Embora o setor de seguros sempre tenha se dedicado a servir as pessoas, tanto indivíduos quanto grupos, acho que a tecnologia nem sempre tornou o seguro mais fácil e acessível para todos. Na verdade, às vezes parece fazer o oposto. Somos uma indústria orientada a análises, e as ferramentas de análise ainda são muito difíceis de implantar e muitas vezes mais difíceis de serem usadas por pessoas comuns. A maioria das empresas ainda depende de especialistas em TI ou inteligência de negócios (BI) para entender os dados para que outros possam tomar decisões mais inteligentes.

Mas acho que a análise e a tecnologia de BI estão finalmente alcançando nossa visão, permitindo que os usuários de negócios diários aproveitem o poder dos dados por meio de ferramentas fáceis de usar e automação avançada. Esta é uma grande oportunidade para o nosso setor, e acho que adotar a análise de dados para todos abrirá o caminho para tornarmos o seguro ainda mais transparente e agradável (bem, certamente menos doloroso) para todos os nossos clientes.

O sonho dos dados democratizados em seguros

Todos nós sonhamos com uma agência de seguros onde cada funcionário usa insights de dados para tomar decisões e os executivos C-suite têm painéis sob demanda com indicadores chave de desempenho (KPIs) atualizados. Os líderes de linha de negócios usam dados climáticos para identificar regiões potencialmente expostas a tempestades que se aproximam. As equipes de marketing combinam dados do US Census Bureau com dados internos para descobrir oportunidades de negócios com base em informações demográficas e de sinistros.

Na Hastings Mutual, finalmente conseguimos tornar esse sonho realidade e sei que não estamos sozinhos.

Para nós, a chave para tornar isso possível foi repensar como usamos a análise em primeiro lugar. Como a maioria das organizações, começamos a usar a análise contando com relatórios estáticos de mainframe que tinham um ciclo de atualização de 30 a 45 dias. Mesmo quando centralizamos nossos dados em um data warehouse, apenas especialistas em TI tinham as habilidades para consultá-los. Isso levou a um acúmulo constante e crescente de solicitações de usuários corporativos, o que foi frustrante para todos os envolvidos. A TI estava exausta, os usuários de negócios estavam usando dados que já estavam desatualizados e, é claro, nossos clientes e segurados sofreram com isso. Não importa o quanto tentássemos simplificar o processo de entrega de análises, sempre lutamos com essa última milha - na verdade, colocar os insights de dados nas mãos das pessoas que precisavam deles.

A revolução foi adotar a abordagem oposta: usar novas tecnologias, como ferramentas de painel de autoatendimento, incorporação e IA, para colocar os usuários de negócios em primeiro lugar – deixá-los analisar os dados por conta própria, onde quer que estejam, em qualquer aplicativo que eles já está usando, sem precisar recorrer primeiro a especialistas em TI, BI ou outros especialistas.

Na prática, isso se parece com funcionários que constroem seus próprios painéis, parceiros que descobrem oportunidades usando visualizações incorporadas em portais existentes e segurados que recebem alertas orientados por dados por e-mail ou telefone. Em suma, colocamos o usuário final em primeiro lugar e trazemos os dados para ele, e não o contrário.

Criando oportunidades de seguro com análises

É compreensível que muitas pessoas se perguntem se confiar ainda mais na análise transformará o seguro em uma indústria automatizada e robótica que simplesmente faz o que os dados decidem ser o melhor, mas a verdade é exatamente o oposto. Assim como nos computadores ou na internet, quando colocamos análises e insights de dados nas mãos de todos, todos nos beneficiamos.

Pegue algo simples como dados meteorológicos. Ao combinar previsões meteorológicas com mapas e dados de políticas, nossas equipes internas de negócios conseguiram entender os efeitos das condições climáticas prejudiciais e, mais importante, o que fazer a respeito. Essa combinação levou a um resultado final aprimorado por meio de melhores relatórios de dados e economias de custos subsequentes, mas, mais importante, estabelece as bases para uma experiência mais positiva do cliente por meio de alertas relacionados ao clima para os segurados.

Estou animado para ver como as novas tecnologias continuarão levando o seguro para o próximo nível. A IA pode ajudar a automatizar grande parte do processamento lento e manual de alterações de políticas. O aprendizado de máquina pode aumentar a velocidade e a precisão do processo de subscrição. Integrações de aplicativos mais profundas levam a mais dados para que os parceiros de negócios vejam um quadro financeiro completo, incluindo prêmios, planos e sinistros.

Estas são apenas algumas das ideias possíveis. Muitos mais se tornam possíveis à medida que democratizamos a análise de dados e fornecemos a todos acesso intuitivo a informações factuais sobre as quais eles podem tomar decisões inteligentes por conta própria e em seu próprio tempo.

Postado em
28/6/2022
 na categoria
Tecnologia

Mais sobre a categoria

Tecnologia

VER TUDO